UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA
"JÚLIO DE MESQUITA FILHO"
Reitoria
 
     
 
Jornal UNESP :::
Agosto/2006 – Ano XX – nº 214   [Voltar]
 
:: GERAL ::

Ouvidoria
A profissão de docente universitário

José Ribiero Junior

A fala deste mês, focalizando o exercício da carreira universitária, liga-se a dois fatos ocorridos em julho. O primeiro devido ao relevante evento Feira de Profissões, realizado no campus de Araraquara, e o segundo, a propósito de entrevista concedida por este ouvidor ao Portal Universia (http://www.unesp.br/ouvidoria/noticias/universia.php).

A Feira é serviço significativo prestado pela UNESP à comunidade jovem de vasta região do Interior paulista. As palestras e orientações nas áreas de Humanidades, Exatas e Biológicas representam referencial importante para definições profissionais de número significativo de estudantes do ensino médio. O evento é, portanto, ato cidadão do mais alto valor social e por isso digno de nossa Universidade.

A matéria do Universia, “Onde dar aulas no ensino superior”, comparou o exercício da profissão docente em estabelecimentos públicos e privados. Na entrevista, entretanto, não foram explicitados pontos importantes. Visamos a esclarecer, assim, nossas informações prestadas e, ao ensejo, mostrar mais um caminho profissional para os ingressantes da Universidade e para o atual corpo discente.

Ser professor universitário é uma possibilidade que se apresenta para os estudantes de todos os cursos oferecidos. A universidade pública oferece condições de desenvolvimento potencial de sua clientela por vários motivos. O seu corpo docente é selecionado entre aqueles que se destacam em seus campos e conseguem qualificação e titulação. O Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa (RDIDP) é a regra estrutural, sempre buscada. Os cursos regulares são sérios, fato comprovado pela elevada procura entre os vestibulandos. Parte dos alunos é integrada à Iniciação Científica ou a outros grupos de pesquisa com bolsas de entidades de fomento, o que lhes propicia um desenvolvimento diferenciado. O ensino com pesquisa leva à renovação do saber, evitando a repetição livresca e imóvel. O prestígio das faculdades públicas é o aval para obter o apoio dos órgãos de fomento. Os programas de pós-graduação, com mestrado e doutorado, existentes em todas as áreas e, na média, bem conceituados pela Capes, constituem uma continuação de aprimoramento do profissional formado.

Optar pela carreira de professor universitário nos estabelecimentos públicos exige esforço, naturalmente. Requer, também, disposição para enfrentar desafios cotidianos para manter e melhorar a qualidade dos cursos e de si próprio. Existem dificuldades a enfrentar, como a luta para atualização de laboratórios e bibliotecas e mesmo campanhas salariais. Entretanto, com o tempo, a remuneração oferecida proporciona um poder aquisitivo decente, o emprego proporciona estabilidade e, ao final da carreira, uma aposentadoria integral. Milionário ninguém fica.

O maior retorno da profissão de professor universitário é, na verdade, a possibilidade de ser um cientista educador, formando cidadãos do mundo, com preparo intelectual e consciência crítica.

 
  ACI