Reitoria
 
diminuir fonteaumentar fonte
 
   
 
Agência Unesp de Inovação
voltar voltar imprimir imprimir enviar enviar corrigir corrigir
Roberto Rodrigue
Mesa de abertura do evento

Workshop Caminhos da Inovação: Primeiros PassosEvento ocorreu na Reitoria da Unesp

[05/12/2016]  Editor HTML Online

A Prope (Pró-reitoria de Pesquisa) e a AUIN (Agência Unesp de Inovação) realizam, dia 30 de novembro, na Reitoria da Unesp, o Workshop Caminhos da Inovação: Primeiros Passos.

Sob o tópico "A Inovação Tecnológica no contexto acadêmico'", Vanderlan da Silva Bolzani, diretora executiva da AUIN, apontou que, acima da discussão da pesquisa básica ou aplicada, está a valorização da boa aplicação da ciência. "Nesse contexto, a AUIN desenvolve um papel muito importante. Também deve ser estimulada a sintonia cada vez maior entre a pesquisa e a pós-graduação", afirmou.

Vanderlan relatou ainda a missão da AUIN de auxiliar docentes e pesquisadores em questões de propriedade intelectual. "É essencial criar uma cultura na área. Analisar adequadamente o que é patenteado também é uma prioridade. Atuar na propriedade industrial e cotitularidade internacional é um passo importante. É preciso fomentar nos alunos a ideia que existe vida virtuosa fora da universidade."

A pró-reitora de pesquisa Maria José Soares Mendes Giannini lembrou que a Unesp vem crescendo de maneira significativa. "É fundamental desenvolver em nossos alunos a ideia de empreendedorismo, principalmente entre os jovens, que cada vez mais desejam ouvir menos e atuar mais. É preciso fazê-los pensar", disse. "Nosso papel na formação de recursos humanos é fundamental. Precisamos contribuir para a melhoria da sociedade e, nesse aspecto, torna-se essencial elevar o impacto social das pesquisas realizadas na Universidade."

Maria José apontou que a inovação é marcada por alguns conceitos intangíveis (criatividade, genialidade e ideias) e outros tangíveis (produtos, processos e serviços). "A Unesp tem escritórios de pesquisa e é preciso investir para que sejam continuamente melhorados", acredita.

Oswaldo Massambani, diretor da Agência de Inovação INOVA Paula Souza, discorreu sobre 'Construindo Bases de Inovação no Instituto Paula Souza'. Apontou a importância de construir ambiente favorável para o desenvolvimento da inovação e do empreendedorismo e startups, além de criar oportunidades para construir parcerias com os setores empresariais e promover a criação de empresas nascentes.

Massambani destacou a importância do capital humano em todo esse processo. "Temos uma rede temática que organiza laboratórios e competências, além de uma parceria com a Unesp para capacitar nossos docentes com mestrados e doutoramentos. Nosso foco é o desenvolvimento de aplicações. Estimular o desenvolvimento regional também é uma de nossas prioridades", comentou.  

'Projeto de Preservação de Anfíbios' foi o tema de Célio F. B. Haddad, do Instituto de Biociências (IB) da Unesp em Rio Claro. Inicialmente, ele conceituou que a conservação é o uso sabio, equitativo e sustentável dos recursos naturais. Lembrou que os anfíbios estão em declínio pela ação humana após a Revolução Industrial. Como exemplos, citou a destruição de ecossistemas e as mudanças climáticas e doenças induzidas pelo homem, além de caça descontrolada para uso como animais de estimação, principalmente para comércio ilegal com o mercado externo.

"A degradação ambiental causada pelo homem é o mais grave deles. É importante apontar que alguns princípios ativos presentes nos anfíbios podem trazer benefícios no combate de doenças. Torna-se essencial, portanto, parar de destruir os ecossistemas. Para isso, melhorar a educação da população e regenerar parte dos ambientes degradados são ações indispensáveis", disse. "Conhecer para preservar é uma prioridade."

O tema "Importância das toxinas como modelos fármacos" foi desenvolvido por Mario Sergio Palma, também professor do IB/Rio Claro. Apontou que a curiosidade do cientista é fundamental na pesquisa científica e pode ser treinada, por exemplo, com a observação atenta de crendices populares. O desenvolvimento de políticas públicas na área também é essencial.  

"Criar inovação significa mudar paradigmas. As empresas voltam-se para esse tipo de ação e a imprensa também, o que dá grande repercussão ao trabalho. Sendo curioso de maneira dirigida e fazendo as perguntas certas, é possível gerar inovação", concluiu Palma.

Rosângela Lomeo, da Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Minas Gerais, tratou de A Inovação Tecnológica na UFMG.  Relarou que a Universidade tem 1.100 propriedades intelectuais protegidas. Apontou a importância do diálogo entre a universidade e as empresas numa rede em que existam políticas do públicas do governo, empreas responsáveis pela produção e a universidade atuando em pesquisa, desenvolvimento e formação de recursos humanos.

"Há vários modelos, incluindo acordos de parceria, licenciamentos e autorização de teste. A prospecção de empresas é muito importante e inclui folders e resumo executivo, além de feiras, workshops, e-mails, fóruns, convenções e outras atividades. Se a empresa se interessou, é preciso verificar se a empresa quer ou não exclusividade. Trata-se de um processo de negociação e de valoração de cada projeto", comentou.

"O papel da Propriedade Intelectual Acadêmica no Sistema de Inovação" foi o assunto desenvolvido por Fabíola M. Spiandorello, Gerente de Propriedade Intelectual da Agência Unesp de Inovação. "Vivemos num momento que podemos chamar de economia da inovação. Em países como os EUA, há autênticos ecossistemas de empreededorismo. No Brasil, existe um período de maturação, em que há necessidade de bons projetos que possam receber o capital existente", afirmou.

"O papel do pesquisador em todo esse processo é ter uma ideia, desenvolver uma pesquisa, escrver uma comunicação cientifica, fazer um protótipo e dialogar com a empresa, que fará a comercialização. Tudo isso envolve elevado investimento e demora um tempo. Em tudo isso, a novidade é o tendão de Aquiles", mencionou.

Houve em seguinda debate com a participação de Leopoldo C. Zuaneti – Assessor Jurídico da Agência Unesp de Inovação, e Rita de Cássia Cortazzi Costoya – Gerente de Transferência de Tecnologia da Agência Unesp de Inovação, além dos palestrantes anteriores e do público, que teve a oportunidade de tirar dúvidas envolvendo inovação e registros de propriedade intelectual.

Informações
Agência Unesp de Inovação
+55 11 3393-7901 / 7903 /7904
auin@unesp.br

 

Assessoria de Comunicação e Imprensa

Luisa Almeida/AUIN

 

Notícias recentes

16/02/2018 - [Animal Health Innovation Latin America]

07/02/2018 - [Coloque sua startup na Plataforma de Lançamento do InovAtiva Brasil]

19/01/2018 - [Inova Talentos - IEL/CNPQ abre vagas para alunos bolsistas]