Guia de Profissões 2010
Guia de Profissões 2010
     
 
Cursos :::
Medicina

Compromisso com a cidadania, a qualidade e a eficiência

 

O ensino médico no Brasil vem passando nos últimos anos por um processo de mudança para que possa formar um profissional cada vez mais crítico, criativo, ético, atualizado e com compromisso com a cidadania. As instituições buscam um ensino que valorize a equidade e a qualidade da assistência, a eficiência e a relevância do trabalho em saúde.

As mudanças têm como objetivo formar médicos responsáveis, com curiosidade científica e inclinados a participar ativamente de atividades de melhoria da saúde pública, como o fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde). O objetivo é recuperar a dimensão essencial da profissão – a relação entre os seres humanos.

A base do ensino médico é, geralmente, voltada aos avanços das novas e diversificadas tecnologias de diagnóstico e tratamento de enfermidades. Doenças que há pouco tempo eram fatais, hoje são consideradas e tratadas como doenças crônicas, aumentando a expectativa de vida em muitos anos.

Um dos objetivos da reformulação dos cursos é rever criticamente o modelo centrado no hospital e no ensino das doen­ças de maior complexidade. Tendo isso em vista, a Faculdade de Medicina da UNESP, câmpus de Botucatu, propôs-se trilhar o caminho da diversificação de cenários, abrindo-se para uma formação focada na atenção primária e secundária, além de manter atividades de atenção terciária em seu Hospital de Clínicas.

O objetivo é formar um profissional cujas atribuições são as de atender à grande maioria da população de uma comunidade, independentemente de sexo e idade, com ênfase nos problemas de saúde mais prevalentes na população, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde.

O médico atua predominantemente em instituições públicas do SUS, mas também pode atuar em consultório particular, em convênios e cooperativas médicas ou dedicar-se à docência e à pesquisa. O trabalho no pronto-socorro, atendendo urgências e emergências, costuma marcar os primeiros anos da carreira, por isso as atividades nessas áreas têm sido valorizadas nas disciplinas ministradas no regime de internato do curso de graduação.

na UNESP
Busca de inovação na prática médica e interação com a comunidade

A UNESP oferece o curso de Medicina no câmpus de Botucatu. Seguindo a tendência das melhores escolas do mundo, a Faculdade de Medicina (FM) está permanentemente envolvida em projetos que buscam impulsionar o desenvolvimento de atividades inovadoras no ensino de profissões da saúde.

O curso é ministrado em seis anos, sendo que nos primeiros os alunos entram em contato com disciplinas básicas da área, como Anatomia e Fisiologia Humana, com disciplinas que enfocam a Semiologia, a Pro­pe­dêutica, a Fisiopatologia e a Terapêutica, e com atividades da disciplina de Interação Universidade-Serviço-Comunidade (IUSC), que se iniciam no primeiro ano do curso.

Os dois últimos anos são em regime de internato em diversas instituições da região, como a Maternidade do Hospital Regional Sorocabano, o Centro de Saúde Escola de Botucatu, as Unidades Básicas de Saúde de Botucatu, o Hospital Estadual Bauru e o Hospital de Clínicas da FM, que realiza, anualmente, cerca de 400 mil consultas ambulatoriais, 1.200 partos e quase 11 mil cirurgias de pequeno e grande porte.

A FM também oferece programas de residência médica, com duração variável de 2 a 5 anos, de acordo com a área escolhida. É realizado, anualmente, concurso público para médicos de todo o País para o ingresso nesses programas. Há, ainda, nove programas de pós-graduação stricto sensu, com mestrado e doutorado, para quem deseja prosseguir os estudos após a residência médica.

A interação da FM com a comunidade ocorre por meio de diversos projetos: curso pré-vestibular para pessoas carentes – o Cursinho Desafio –, alfabetização de adultos por meio da educação em saúde, atividades no Centro de Saúde Escola com os cidadãos de Botucatu e ações conjuntas com centros de saúde municipais, voltados ao atendimento da população mais carente da região.