UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA
"JÚLIO DE MESQUITA FILHO"
Reitoria
 
     
 
Jornal UNESP :::

Setembro/2009– Ano XXII – nº 248   ::   Suplemento

 
:: LANÇAMENTOS ::

Literatura
Docente cria 'autor' de poemas
Obras de personagens Doutor Ângelo Monaqueu, que teria desaparecido, seguem tradição licenciosa

Docente do Instituto de Artes (IA), câmpus de São Paulo, Omar Khouri possui graduação em História pela USP e mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Livre-docente em Teoria e Crítica da Arte pelo IA, tem experiência na área de História e Crítica, com ênfase em Arte Moderna e Contemporânea. Sua obra literária consiste em dar à luz os poemas eróticos do Doutor Ângelo Monaqueu. (Entrevista a Oscar D’Ambrosio)

Jornal Unesp: Como surgiu esse personagem?
Omar Khouri: Ouvi pelo rádio que, em São Paulo, desapareciam por dia cerca de 50 pessoas. Criei então o Dr. Ângelo Monaqueu, uma espécie de alterego, alguém que está desaparecido e cuja obra está sendo revelada pelos amigos. Comecei a pensar nele em 1994, mas a primeira publicação foi no ano seguinte, em Bauru. A mais recente é de 2009, Poemas da mãe. Há, porém, mais volumes.

JU: E a sua produção poética? Como foi aparecendo?
Khouri: De artista plástico, fui me tornando poeta visual. Tantas foram as leituras que acabei me descobrindo um poeta de decassílabos. E resolvi dar a autoria dessa produção ao Dr. Ângelo.

JU: O nome dele já é bem significativo...
Khouri: Ângelo Monaqueu seria o mensageiro solitário. Vem de monacus, do grego, que significa solitário. Por sua vez, angelus quer dizer mensageiro.

JU: Qual é a temática do poeta?
Khouri: O assunto central são questões do mundo do erotismo. Justamente pelo envolvimento com a tradição de literatura fescenina ocidental, os textos usam o baixo calão, que entra sempre com uma função determinada, dentro de uma peça, altamente elaborada.

JU: Como definir a poesia dele?
Khouri: Ângelo é um poeta da palavra, um especialista nas civilizações clássicas. Ele sabe grego e latim. É muito rigoroso, porque tem um grande domínio técnico da versifi cação e da engenharia do verso.

JU: O livro tem também uma pitada de humor...
Khouri: Ele está disseminado. Assinei um prólogo e há um texto da mãe do Dr. Ângelo que fala sobre o filho desaparecido. Existe ainda uma entrevista que fiz com ela na sua residência de inverno, em Pirajuhy (SP).

JU: O senhor tem grande influência da poesia concreta...
Khouri: O que me marcou mais profundamente no conhecimento da poesia concreta e dos seus autores foi o rigor formal, a seleção do que mostrar. Quando vou fazer uma seleção de quadros, por exemplo, para uma aula, eu faço essa seleção com o maior rigor possível.

JU: Quando serão publicados novos livros do Dr. Ângelo?
Khouri: Já foram publicados três volumes e há dois inéditos, além de um livro de prosa de contos eróticos. Há ainda obras de fragmentos, porque ele deixou muitas anotações.

Poesias


O virgem, virgem se casa.
Não se aflijam, não lamentem,
Pois que a noiva extravasa!

à maneira de Marcial de Bílbilis

Indagas, Clóvis, por que Políbio
Sendo tão feio
E nos modos grosseiro, é único entre as
mulheres?
Pois te digo, agora, sem rodeios:
É que ele é jovem
E tem o mastro-rijo
Apontado pras estrelas...

 

  ACI