UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA
"JÚLIO DE MESQUITA FILHO"
Reitoria
 
     
 
Jornal UNESP :::

Agosto/2009– Ano XXII – nº 247   ::   Suplemento

 
:: Ciências Humanas::

História
Jardim América, bairro inglês em SP
Gênese e mudanças de um dos empreendimentos mais luxuosos da capital paulista são tema de livro

A trajetória de um dos bairros mais sofisticados da capital paulista é o tema de A cidade e os Jardins: Jardim América, de projeto urbano a monumento patrimonial (1915-1986) (268 páginas; r$ 40). A obra aponta como a Companhia City, construtora responsável pelos luxuosos empreendimentos desse local, começou a criar o mito de beleza da região já na
época do lançamento por meio de uma poderosa estratégia de venda.

Publicado pelo projeto Edição de Textos de Docentes e Pós-Graduados da Unesp, parceria entre a Pró-reitoria de Pós-Graduação e a Fundação Editora da Unesp, o livro mostra como o Jardim América passou por uma estratégia de venda de terrenos pioneira, que incluía divulgar a região em exposições, congressos e peças de teatro, lugares onde estava seu públicoalvo: as classes média e alta do início do século XX.

Licenciada em História pela Universidade Estadual de Maringá (Pr) e mestre e doutora em História pela Faculdade de Ciências e Letras da Unesp, câmpus de Assis, Zueleide Casagrande de Paula conta que o bairro tem a sua origem nos planos do britânico Barry Parker de trazer ao Brasil o projeto das cidades-jardins, bairros inspirados na arquitetura inglesa que agregavam o bucólico e o urbano em um mesmo espaço. É lembrado que o autor do movimento cidadejardim foi o inglês Ebenezer Howard. Ele viveu entre o final do século XiX e o início do XX, período de profundas transformações sociais, políticas e culturais, que incluíam a reconfi guração urbana de cidades como Londres.

Propaganda – O Jardim América se distanciava de outras localidades por ter sido “o primeiro com traçado curvilíneo e jardins internos, arborização de ruas em integração com a das residências, praças e cercas vivas, oferecendo ao morador e transeunte uma paisagem acolhedora”. A autora mostra as estratégias de convencimen-to da propaganda da época. A Companhia City é estudada como uma instituição que soube aliar as ideias de progresso desenvolvimentista e o ideário
higienista das práticas urbanas das cidades-jardim. É citado, por exemplo, um panfl eto que, em letras destacadas, dizia: “O Ar LiVrE DO CAMPO E TODO CONFOrTO DA CiDADE só se encontram reunidos no JArDiM AMÉriCA – O BAirrO
NOBrE DA CAPiTAL”.

O interessante é que a concepção de cidade-jardim, ao ser aplicada no Brasil, assim como em outros países, sofreu adaptações. Em São Paulo, ela se afastou bastante da proposta inicial, principalmente pela perda dos jardins internos das casas, que chegaram a ser chamarizes para os compradores potenciais dos lotes. Embora tenham-se perdido ao longo do tempo, contribuíram no imaginário dos próprios moradores locais para o tombamento, em meados dos anos 1980,
do bairro Jardim Europa, com o América a reboque.

Oscar D’Ambrosio

Editora abre espaços para produção acadêmica

Em parceria com a Pró-Reitoria de Pós-Graduação,a Fundação Editora da Unesp (FEU) abriu inscrições para duas iniciativas destinadas a divulgar a produção de docentes, pós-graduandos e pós-graduados da Universidade: o Programa de Publicação de Textos e o Programa de Publicações Digitais, que acaba de ser lançado. Até o fi nal de 2009, o Programa de Publicações Digitais prevê o lançamento de 54 novos livros nas áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Aplicadas e Linguística,
Letras e Artes.


A seleção dos trabalhos é realizada pelos Conselhos de Programas de Pós-Graduação,que analisam produções de 2007, 2008 e 2009. Cada Programa pode inscrever, até o dia 10 de agosto, dois livros. A FEU é responsável pela produção editorial e as obras serão lançadas sob o premiado selo Cultura Acadêmica. Os títulos serão editados em formato digital e disponibilizados na Internet no formato creative commons.

Mais informações sobre o Programa estão no site http://www.unesp.br/propg/livrosdigitais/ Por meio do Programa de Publicação de Textos, a FEU também agrega as melhores produções em Humanas, Exatas e Biológicas, de docentes e pósgraduados da Unesp, pelo selo Cultura Acadêmica. As inscrições para o Programa de Publicação de Textos, cujas obras são selecionadas pelo Conselho Editorial Acadêmico, estão abertas até o dia 18 de agosto, e devem ser feitas pelos autores. Os livros selecionados em 2009 serão publicados até 2011 em meio digital (pelo sistema copyleft) e em meio físico para impressão sob demanda.

Mais informações estão disponíveis em: http://www.editoraunesp.com.br/seja_autor.asp


 
  ACI